Bolsa de Valores de Mocambique
CDM 201,00
CMH 900,00
CETA 120,00
EMOSE 20,00
ZERO 20,00
OT 2005 S2 8.00%
Moza Banco 2013 Sub 14.50%
Visabeira 2015 22.50%
OT 2015 S4 10.125%
OT 2015 S5 10.50%
OT 2015 S6 10.50%
STB 2015 S1 22.50%
STB 2015 S2 22.50%
STB 2015 S3 22.50%
BNI 2016 S1 18.75%
Bayport 2016 S1 27.25%
Bayport 2016 S2 27.2500%
OT 2016 S1 11.00%
OT 2016 S2 12.75%
OT 2016 S3 17.625%
OT 2017 S1 17.875%
OT 2017 S2 17.50%
OT 2017 S3 17.9375%
OT 2017 S4 27.50%
OT 2017 S5 27.50%
OT 2017 S6 24.00%
OT 2017 S7 24.00%
CM 2017 27.00%
Millennium BIM 2017 18.00%
Opportunity Bank 2017 S1 21.50%
Bayport 2017 S1 21.50%
OT 2018 S1 19.00%
OT 2018 S2 10.00%
OT 2018 S3 10.00%
OT 2018 S4 10.00%
OT 2018 S5 16.00%
OT 2018 S6 16.00%
OT 2018 S7 16.00%
OT 2018 S8 16.00%
OT 2018 S9 16.00%
OT 2018 S10 16.00%
Opportunity Bank 2018 S1 22.00%
Opportunity Bank 2018 S2 21.50%
BAYPORT 2018 S1 24.00%
BAYPORT 2018 S2 22.00%
P. Comercial Opportunity Bank 2018 S1 20.75%

A BVM, na cerimónia de divulgação do estudo sobre o Mercado de Capitais em África, intitulado “Barclays Africa Group Financial Markets Index”.

A Bolsa de Valores de Moçambique, participou no dia 11 de Junho, em Maputo, na cerimónia de divulgação do estudo sobre o Mercado de Capitais em África, produzido pela OMFIF (Official Monetary and Financial Institutions Forum) em associação com o Barclays Africa Group, intitulado “Barclays Africa Group Financial Markets Index”.

O evento contou com a presença de representantes do Banco de Moçambique, da Bolsa de Valores de Moçambique (BVM), do Fundo Monetário Internacional (FMI), do Banco Mundial (BM), Bancos Comercias, intervenientes do Mercado de Capitais, instituições públicas e empresários.

O referido estudo, intitulado “Barclays Africa Group Financial Markets Index”, incidiu sobre 17 Países Africanos (entre os quais Moçambique), e foca alguns dos aspectos pontuais que devem ser tomados em consideração no sentido de desenvolver o investimento local e atrair o capital estrangeiro, ou seja, foram um conjunto de 40 indicadores agrupados em 6 principais pilares económicos.

O estudo considera os seguintes pilares económicos para o desenvolvimento do Mercado de Capitais: Profundidade de Mercado; Disponibilidade de moeda estrangeira; Transparência do mercado, quadro regulatório e fiscal; Capacidade dos investidores locais; Oportunidades Macroeconómicas; e, Força dos contratos financeiros, das Garantias e Regime de insolvência.

Da classificação percentual atribuída a cada indicador, ficou definido o ranking de cada um dos 17 países analisados. Na análise Global, Moçambique ocupou o 15º lugar, tendo a África do Sul ficado em 1º classificado, logo seguido pelas Maurícias e pelo Botswana, respectivamente, 2º e 3º classificados.

Moçambique foi considerado como tendo dois pontos que merecem um especial cuidado: baixa profundidade de mercado e nível de transparência, que foram considerados como os dois principais factores que não permitem um maior crescimento do mercado.

Durante as discussões do painel constituído pelo Banco de Moçambique, a Bolsa de Valores de Moçambique, Fundo Monetário Internacional e o Banco Mundial, o PCA da BVM, Salim Valá, disse que a extensão dos serviços bancários e uma forte educação financeira, são pressupostos vitais para o desenvolvimento do Mercado de Capitais em Moçambique.

Salim Valá reiterou ainda que, a BVM tem estado a fazer um trabalho de base junto as províncias para divulgar os instrumentos financeiros que a bolsa dispõe ao mercado empresarial e a comunidade académica, e tem acordos de cooperação com a Agência para a Promoção de Investimentos e Exportação (APIEX), para trazer os grandes investimos e os projectos de exploração dos recursos naturais a Bolsa, para além de outras parcerias, com a CTA, IPEME, OCAM, IODMoz, Universidades, entre outras instituições.  

Por sua vez, Ari Aisen, representante do FMI em Moçambique, enalteceu o trabalho que a BVM tem estado a desenvolver para o crescimento do Mercado Bolsista, e recomendou a publicação de mais indicadores por parte dos intervenientes do Mercado de Capitais para garantir uma proximidade e confiança entre os investidores e os provedores dos serviços financeiros no País.

Um aspecto inovador deste estudo, foi a análise do crescimento económico e sustentável com base no desenvolvimento do Mercado de Capitais, onde as Bolsas de Valores são uma das principais instituições do ecossistema.


Fotos do Evento